Make your own free website on Tripod.com

  O Sentido da Vida
 

 
  
A Filosofia
no nosso Quotidiano

 

Home ] Poemas ] Amor ] Amizade ] Felicidade ] Filosofias ] Humanos ] Pensamento ] Idade ] Sentido ] Ilusão ] Brevidade ] Dor ] Morte ] Após Morte ] Ciência ] Universo ] [ Humor ]
               

Home
Poemas sobre a Vida
O Amor e a Vida
A Amizade e a Vida
Felicidade
Filosofias de vida
Os Seres Humanos
Pensamento existencial
A Idade e o Sentido
Há sentido na vida?
A vida é sonho
Brevidade da Vida
Vida e sofrimento
Morte
Vida após a morte
Ciência e sentido
O Homem e o Universo
Humor
Sites

 

 VIDA, HUMOR E SARCASMO

HUMOR SOBRE A VIDA
O sentido da vida


CONTRADIÇÕES

As nossas vidas estão cheias de contradições. O modo como vivemos as nossas vidas é alvo frequente do nosso próprio sarcasmo e humor.
 

A vida é apenas uma maldita de uma coisa atrás de outra.
Elbert Hubbard, 1856-1915, escritor norte-americano, no periódico Philistine 


Os homens tratam as suas vidas, como as crianças tratam os brinquedos: maltratando-a primeiro, deitando-a fora, depois.
William Cowper, 1731-1800, poeta inglês, Hope


Há três grandes eventos nas nossas vidas: nascer, viver, e morrer. Do nascimento, não temos consciência; com a morte sofremos; e, quanto à vida, esquecemo-nos de a viver.
Jean de La Bruyère, 1645-1596, moralista francês, Les caractères où les moeurs de ce siècle.


Quando não se tem dinheiro o problema é a comida. Quando se tem dinheiro, é o sexo. Quando se tem ambos, é a saúde.
J.P. Donleavy, n.1926, escritor americano, A Fairy Tale of New York


Não vivemos como queremos, mas como podemos.
Terêncio, 190-159 a.C., poeta romano, The Lady of Andros 


Metade da vida já passou antes de sabermos o que ela é.
George Herbert, 1593-1633, poeta escocês, Jacula Prudentum  


Vivemos várias vidas numa única, e bastante menos que uma em todas.
Alice Cary, 1820-1871, poetisa americana, Life's Mysteries. 


Pode haver muitas maneiras de nos mantermos vivos, mas há de certeza muito mais maneiras de se estar morto.
Richard Dawkins, sociobiólogo inglês, The Blind Watchmaker


A experiência é o nome que todos damos às nossas asneiras.
Óscar Wilde, 1854-1900, escritor irlandês, Lady Windermere’s Fan


A felicidade é boa saúde e má memória.
Atribuído a Ingrid Bergman, 1917-1982, actriz sueca


Todas as coisas de que realmente gosto são ilegais, imorais ou engordam.
Alexander Woolcott, 1887-1943, ensaísta e jornalista americano, citado em The Algonquin Wits, de  R. E. Drennan


Procuro evitar a tentação, a não ser que não lhe consiga resistir.
Mae West, 1892-1980, actriz americana, no filme She Done Him Wrong


Os bons morrem jovens porque constatam que não vale a pena viverem para serem bons.
Autor desconhecido


A vida é uma doença transmitida sexualmente.
Autor desconhecido


Vive todos os dias como se fossem o último, e um dia verificarás estar certo.
Autor desconhecido


O que é a vida, senão uma fuga da morte, e o que é a morte senão uma fuga da vida? 
Autor desconhecido


A morte é parar de pecar repentinamente.
Autor desconhecido


Comentário
Humor e sentido da vida



O tema da morte também não escapa ao nosso humor
Humor e sentido da vida
 

O medo da morte é o mais injustificado de todos os medos, porque não há qualquer risco de acidente para quem está morto.
Albert Einstein, 1879-1955, físico de origem alemã, em EinsteinQuotes.html, rescomp.stanford.edu, por Kevin Harris


A morte de um homem é mais um problema dos sobreviventes do que seu.
Thomas Mann, 1875-1955, escritor alemão, The Magic Mountain 


O facto de se ter nascido é um mau augúrio em termos de imortalidade.
George Santayana, 1863-1952, filósofo americano, Reason in Religion  


Não há cura para o nascimento e para a morte, salvo gozar o intervalo.
George Santayana, 1863-1952, filósofo americano, Soliloquies in England 


Morrer é que me assusta.
Montaigne, 1533-1592, escritor francês, Essais

Ver também:
Morte
Vida Pós Morte


Comentário

Humor e sentido da vida



A VIDA É UM CABARET
Humor e sentido da vida

A vida tem um lado teatral. «A vida é um cabaret, velho companheiro. Bem-vindo ao cabaret»

(Tradução adaptada ao português da letra de «Cabaré», de Fred Ebb e John Kander)


É bom estar sentado no quarto contigo a sonhar
E a ouvir a música a tocar
A vida é um cabaré, velho companheiro.
Bem-vindo ao cabaré.

Pára com a malha, o livro, e as lérias
É tempo para umas boas férias
A vida é um cabaré, velho companheiro.
Bem-vindo ao cabaré.

   Vem saborear o vinho, ouvir a banda a tocar
   Vem com o teu instrumento, começa a celebrar 
   Por aqui exactamente... este é o teu lugar

Não dês ouvidos a certos profetas da condenação
Que votam o riso à escuridão
A vida é um cabaré, velho companheiro.
Bem-vindo ao cabaré.

Costumava ter uma amiga chamada Elsie
Com quem partilhei um sórdido quarto em Chelsea
Não era propriamente flor de cheiro
De facto ela cobrava a dinheiro

No dia em que morreu, os vizinhos abafaram o riso
O que sempre acontece quando se bebe e se tem pouco juízo
Mas quando eu a vi deitada como uma rainha
Vi o cadáver mais feliz que a vida tinha

E penso em Elsie desde esse mesmo dia
Recordo como ela me disse enquanto comia
É bom estar sentado sozinha no quarto contigo a sonhar
E a ouvir a música a tocar
A vida é um cabaré, velho companheiro
Bem-vindo ao cabaré.

   E no que a mim me toca
   Uma decisão tomei, nesse dia, em Chelsea
   Quando tiver que ir, irei tal qual a Elsie

Começa por admitir que do primeiro ao último dia
Não é uma assim uma tão grande estadia
A vida é um cabaré, velho companheiro
É apenas um cabaré, velho companheiro
E eu amo um cabaré.

Fred Ebb and John Kander, autores americanos, ligados ao cinema, no musical Cabaret, 1965   


Comentário
Humor e sentido da vida


Ver também:
Poemas sobre a Vida
Os seres Humanos - Condição Humana
Idade e Sentido da Vida
A vida é sonho e ilusão
Ciência e Sentido da Vida
O Homem e o Universo


Retornar ao topo - Humor sobre a vida


Home - Sentido da Vida
 

 

RIR DE NÓS MESMOS


     

Acima:
Charlie Chaplin, que alegadamente disse a propósito da vida: «No fim é tudo uma gargalhada».


Comentário
Rir de nós mesmos

Rir dos outros, dos seus erros, das suas contradições, pode ser sinal de insensibilidade e grosseria. Mas rirmos de nós próprios, e das incoerências presentes nas nossas vidas e pretensões, ou rirmos da vida do homem em geral, pode ser sinal de sensibilidade e abertura.

Como diz Compte-Sponville, «quem faz de si próprio uma estátua - para sua glória humana ou como louvor à sua lei - não se pode queixar de ser suspeito de ter um coração duro ou de estar a fazer pose.» Quem não for capaz de, em determinados momentos, rir de si e da sua vida, quem não for capaz de ver uma certa comédia humana na sua vida e na dos outros, ou está muito ferido, ou envelhecido, ou vive no primarismo mental.

Não podemos levar tudo a rir, porque a vida tem um elemento duro e por vezes trágico. E também porque as nossas convicções e as nossas vidas – no que elas têm de autêntico e humilde - merecem o nosso respeito, e o dos outros.

Mas há momentos em que o riso é salutar – momentos que podem, porventura, corresponder aos nossos momentos de maior lucidez.

Todos somos seres frágeis, sujeitos aos caprichos da sorte, às limitações dos nossos cérebros, ou aos nossos medos, o que alimenta mitos, pecados, ilusões, comportamentos quiméricos, incoerências entre o que se diz e o que se faz… Tudo isso faz parte das nossas vidas, e pode merecer o nosso riso.

Encarar seriamente a vida, reflectir sobre o seu sentido, é, no fundo, também sermos também capazes de rir das nossas contradições, e de introduzir – para bem da nossa saúde mental – pausas de riso na realidade séria das nossas vidas.

 

 

 


 




 


 

Eduardo Reisinho & MeaningsOfLife.com.